Instituto Politécnico de Lisboa reforça aposta na Investigação

  

iplisboa

O Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) preside hoje, às 16h30, à cerimónia de assinatura de contratos de investigação com as 47 equipas vencedoras da primeira edição do Concurso Anual para projetos de investigação, desenvolvimento, inovação e criação artística do IPL que contará com a presença do diretor-geral do Ensino Superior, João Queiroz.

Esta iniciativa, que contou com um total de 95 projetos candidatos das várias unidades orgânicas, reflete um esforço financeiro de aproximadamente 250 mil euros decorrente do orçamento do IPL para 2016.
O lançamento do concurso marca a aposta da atual presidência do Instituto Politécnico de Lisboa em valorizar e dar maior visibilidade à Investigação, Desenvolvimento, Inovação e Criação Artística produzidos na sua comunidade académica. Visa também aumentar a capacidade de financiamento de projetos e de funcionamento de centros e equipas.
De acordo com o presidente do IPL, Elmano Margato, “os projetos submetidos a concurso demostram, na nossa perspetiva, o valor e dinâmica da instituição em termos criativos e de produção de conhecimento. Refletem, igualmente a vontade de reforçar as condições para a realização de investigação nas unidades orgânicas do IPL, fazendo regressar as muitas centenas de investigadores, que as políticas para o ensino superior dos últimos anos colocaram ao serviço de centros universitários”. “Com futuras edições, o Politécnico de Lisboa pretende caminhar no sentido de criar condições para conferir todos os graus académicos”, reforça o Presidente do IPL.
O concurso, cujo regulamento de acesso e seleção de projetos foi publicado em DR, II série, n.º 136, de 18/07/2016, decorreu até novembro de 2016. Os projetos submetidos tiveram que apresentar ficha de candidatura com cronograma temporal e financeiro, orçamento do projeto, currículos científicos ou artísticos do coordenador e da equipa do projeto, entre outros requisitos, sendo posteriormente avaliados por júris interescolas constituídos para o efeito. A duração máxima dos projetos é de 12 meses, compreendidos entre 1 de dezembro de 2016 e 31 de dezembro de 2017.

Apresentação de alguns projetos vencedores:
ESCS - Escola Superior de Comunicação Social
Coordenador: Luís Monteiro
One More Place?: Aplicação Móvel para a visita e exploração da paisagem
Síntese: O projeto propõe desenvolver um protótipo funcional de uma aplicação móvel de apoio à visita de sítios com valor paisagístico, cruzando informação sobre uma determinada paisagem, sobre a localização e experiência do utilizador, sobre a meteorologia e época do ano. Conta com a colaboração de uma equipa multidisciplinar da Escola Superior de Comunicação Social (ESCS) e do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL).

ISEL - Instituto Superior de Engenharia de Lisboa
Coordenador: Arnaldo Abrantes
SIMON - Simulador de Condução: Monitorização de Fadiga e Sonolência
Síntese: O objetivo do projeto é desenvolver um simulador de condução automóvel baseado no motor de jogo Unity3D, sendo o controlo do veículo realizado através de um volante equipado com diversos tipos de sensores que permitem monitorizar variáveis relacionadas com o comportamento do condutor (ângulo do volante, pressão no volante, velocidade de reação) e com o seu estado fisiológico (ECG, temperatura, condutividade da pele). O protótipo desenvolvido será usado, no âmbito deste projeto, como plataforma experimental de suporte a uma linha de investigação com vista a mitigar um dos presentes desafios societais - a diminuição da sinistralidade rodoviária.

ESML - Escola Superior de Música de Lisboa
Coordenador: Sílvia Mateus
POCC - Produção de Ópera num contexto Criativo Contemporâneo
Síntese: O projeto visa a realização de uma ópera de repertório, de W. A. Mozart e uma estreia absoluta de uma produção de ópera contemporânea, numa colaboração entre várias áreas de especialidade da ESML (canto, a composição e as áreas de instrumento e de música de câmara). O facto de neste momento em Portugal não existir uma temporada de ópera e só se fazer ópera no Teatro Nacional de São Carlos ou numa apresentação esporádica aqui ou ali dentro do país, só por si justifica a pertinência deste projeto; contudo ele surge também pela vontade de aprofundar a investigação nesta área no ensino superior, no contexto do trabalho de investigação desenvolvido na ESML.